22 de março de 2012

COMO IMPEDIR QUEDAS EM IDOSOS




A queda é definida como um evento não esperado, no qual o idoso cai de um nível superior para um inferior, ou no mesmo nível, de forma involuntária, com ou sem perda da consciência e com ou sem lesão.
As quedas são ocorrências relativamente comuns nos idosos.Cerca de 30% das pessoas caem a cada ano.Essa taxa aumenta para 40% entre idosos com mais de 80 anos e 50% entre os que residem em instituições de longa permanência.As quedas e suas consequências estão assumindo dimensões de epidemia.O Ministério da Saúde alerta para o fato de que os custos com a saúde motivados por quedas de idosos no Brasil têm crescido de maneira significativa.Além de representar um grande problema para o idoso em função das suas consequências, como fraturas, incapacidades, hematoma cerebral, imobilidade, hospitalização, perda da independência, ansiedade, isolamento, medo, diminuição das suas atividades, institucionalização e morte.
Dos idosos que caem, 50% referem quedas em meios fios, calçadas irregulares ou em escada.A influência dos fatores ambientais no risco de quedas associa-se ao estado funcional e mobilidade da pessoa idosa.Quanto mais frágil, mais suscetível.A maioria das quedas acidentais ocorre dentro de casa ou em seus arredores, geralmente durante o desempenho de atividades cotidianas como caminhar, mudar de posição e ir ao banheiro.
Independente da causa, as modificações do ambiente e intervenções multidisciplinares são importantes, mas a realização de exercícios físicos é extremamente importante para melhorar a força muscular e o equilíbrio.
Diversos trabalhos mostram que os idosos que se exercitam regularmente têm menos chance de sofrer quedas.
Um programa de prevenção de quedas tem como objetivo promover a autonomia e a independência do idoso, minimizando os riscos de queda e suas consequências, diminuindo o medo de cair e incentivando as atividades de vida diária.
Os programas de prevenção de quedas contêm, em sua maioria, treino do equilíbrio estático e dinâmico em solo firme.Em superfícieis instáveis, treino de transferências de peso.Treino de marcha, andar sobre uma linha imaginária, caminhar de lado ou de costas e ultrapassar obstáculos.Exercícios de resistência para fortalecimento muscular, principalmente para membros inferiores, exercícios de flexão, extensão e abudção do quadril, flexão plantar e reforço dos isquiostibiais.Treino de flexibilidade e alongamento.Treino das atividades da vida diária como sentar e levantar de uma cadeira, fazer transferências e apanhar objetos no chão.
Não se pode esquecer que o idoso, direntemente do adulto normal, tem um organismo diferente em termos de ritmo e função.

A gradação da intensidade da atividade física e motivação para continuar deve ser bastante apreciada e manipulada com muita cautela.