17 de junho de 2012

FISIOTERAPIA MOTORA EM PACIENTES IDOSOS.



O processo normal de envelhecimento se caracteriza pela diminuição da capacidade funcional dos diversos orgãos e tecidos, o que acarreta um risco aumentado de doenças, em maioria crônico-degenerativas, que se tornam cada vez mais prevalentes nos países em desenvolvimento.
Esse quadro de perda da função, sem intervenções adequadas e em tempo hábil, pode gerar limitações em efeito cascata, levando à perda da independência, da autonomia e, consequentemente, da qualidade de vida.
Dentro desse contexto, a promoção e a atenção à saúde do idoso englobam medidas preventivas, restauradoras e reabilitadoras, visando a preservar, manter, desenvolver ou restaurar funções, com o intuito de proporcionar  manutenção de uma vida independente, autônoma, participativa e atuante, ou seja, com mais qualidade.
Deste modo, a fisioterapia vem colaborar lançando mão de conhecimentos e recursos fisioterapêuticos com o intuito de facilitar a compreensão dos fatores que possam acarretar perda ou diminuição da qualidade e bem estar nos idosos e, principalmente de restaurar ou manter o mais alto nível de funcionamento da função motora possível e a independência física.